Televisão Notícias Tecnologia Ciência Cultura Ensino Entrevistas Agenda
Nº 36
outubro 2014
Notícias
Nova tecnologia melhora saneamento e produz energia no Haiti
11-12-2009 19:24
António Manuel
© TV Ciência
Transformar dejectos humanos em metano para produzir energia para populações, é o projecto que está a ser desenvolvido no Haiti pela organização não governamental brasileira Viva Rio.
Enviar Notícia Versão Impressão
Num bairro pobre na capital do Haiti, Port-au-Prince nasce um projecto-piloto para melhorar o saneamento básico e ao mesmo tempo fornecer energia.

O projecto construiu casas de banho públicas. Aqui, por um preço de um cêntimo todos têm a possibilidade de usar estas instalações. Na maioria das cidades do Haiti, as pessoas não têm acesso a água potável. Portanto, casas de banho como estas são um verdadeiro luxo. E em especial quando estão abertas ao público.

«Outras casas de banho públicas no Haiti não estão tão limpas e são caras», afirma Aline Saint-Fort, Empregada da Casa de Banho Pública» e adianta que «na maioria dos locais na cidade paga-se cinco ou até dez cêntimos para usar a casa de banho – isso é dez vezes o que cobramos».

A infra-estrutura pública tem capacidade para mil pessoas por dia, e tem impacto positivo no saneamento. Mas o verdadeiro benefício vem de um produto secundário.

Engenheiros em conjunto com a organização não-governamental brasileira Viva Rio, que gere o projecto, construíram este grande tanque de reacção no solo, um bio-digestor. Uma infra-estrutura onde as bactérias transformam os resíduos humanos em metano – um bio-combustível que pode ser usado como fonte de energia.

«O funcionamento é muito simples», diz Valmir Fachini, Coordenador do Projecto Viva Rio e explica que «os dejectos vêm dos sanitários, das casas de banho, e entram no fundo do reactor e ai inicia-se um processo de fermentação que produz biogás e o biogás atravessa a coluna de água e fica acumulado na cúpula, que é onde nós estamos. E esse biogás serve para cozinhar e para produzir electricidade».

Um método que responde às necessidades energéticas da população. «A capacidade deste reactor é de produzir 50 metros cúbicos de biogás por dia. E pode gerar 3000 watts de electricidade durante 24 horas», adianta o Coordenador.

Se o projecto fosse replicado poderia ser para os haitianos uma alternativa ao carvão e, com isso, uma forma de combaterem o grave problema da desflorestação.

Para além disso, a água filtrada que sai do bio-digestor é rica em nutrientes e suporta muitas formas de vida. Aqui, prosperam peixes, e com os cuidados apropriados este tanque poderia tornar-se em zona de pesca, criando alimentos e emprego.

«Aqui nos tanques, a água rica em nutrientes, com luz do sol produz alga. E as algas são o principal alimento dos peixes», referev Valmir Fachini.

Este é um projecto-piloto que está a ajudar os habitantes a produzir energia limpa e, ao mesmo tempo, a melhorar o saneamento no Haiti.

Últimas Notícias
Comércio eletrónico vale já 49,8 mil milhões de euros em Portugal
Cientistas sequenciam genoma do mais antigo humano moderno conhecido
União Europeia vai apoiar com 24,4 milhões de euros investigação sobre vírus Ébola
OMS: Dezenas de milhares de pessoas em África poderão receber vacina para o Ébola em janeiro
Aplicação SmartSurf vai permitir melhorar performance de surfistas
  Topo  
Comparticipado pelo Instituto de Investigação Científica Tropical Projecto apoiado pelo Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Projecto Co-financiado pela UE - FEDER
Cartoteca Iconoteca Telejornais Arquivo de Vídeo Manuscritos Documentários Vídeo Memória Newsletter Facebook (Este link irá abrir uma nova janela)
A TV Ciência Estatuto Editorial Emissão Contactos Ajuda Imprensa © Copyright Publicidade Ficha Técnica